sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Crescimento do PIB reforça campanhas salariais

Como temos dito aqui, foi o nosso trabalho, articulado com a vontade política do Governo Lula, que derrotou a crise antes do que em outros países, muitos deles ainda submetidos ao fechamento de empresas e ao desemprego. A divulgação dos números do PIB pelo IBGE nesta semana comprova o que viemos afirmando e reforça a nossa posição de, agora, exigir a parte que nos cabe. Ou seja, se com trabalho vencemos a crise, agora queremos mais: salários, mais empregos menos impostos, qualificação profissional, trabalho decente.

Vejam abaixo a Nota Oficial da Força Sindical nacional, assinada pelo presidente deputado Paulinho.


NOTA OFICIAL - ANÚNCIO DO PIB
11-Set-2009

O crescimento do PIB (Produto Interno Bruto), de 1,9% no segundo trimestre deste ano em comparação ao primeiro trimestre, é alentador para o País. É importante destacar que o aumento de 4,8% da massa salarial entre janeiro e julho, e o reajuste do salário mínimo conquistado pelas Centrais Sindicais, somados à redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), estimularam a economia, fomentando o consumo, a produção e, consequentemente, a geração de empregos. O consumo das famílias, que cresceu 2,1%, demonstra claramente este fato.

Podemos afirmar que este crescimento da economia irá beneficiar as negociações salariais das categorias neste segundo semestre. A confirmação de que o País saiu da recessão técnica será um fator positivo a ser usado pelos Sindicatos, já que há sinalizador de que a economia está retomando o crescimento.

O crescimento poderia ser melhor se tivéssemos no País uma taxa de juros menor. O governo precisa entender que juros, em patamares estratosféricos, são uma trava para o setor produtivo, que gera emprego e renda.

Paulo Pereira da Silva (Paulinho)
Presidente da Força Sindical

Nenhum comentário:

Postar um comentário