sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Trabalhadores gaúchos têm nova casa

Abaixo o vídeo da cobertura da inauguração da nossa sede estadual, realizada pelo programa Opinião Livre. Também aproveitamos para publicar o manifesto que divulgamos durante a solenidade, no dia 3 de dezembro.







Por um Rio Grande e um Brasil no rumo da história

Os trabalhadores foram decisivos para que o Brasil vencesse a maior crise econômica internacional da história, desde os anos 30. Com propostas concretas, como a redução de impostos e dos juros, política para o salário mínimo e reajuste para os aposentados, entre outras, as Centrais Sindicais cumpriram seu papel diante da situação adversa. Ao inaugurar sua sede estadual, a Força Sindical do Rio Grande do Sul afirma simbolicamente esse novo e mais amplo espaço de interlocução institucional, social e político. Sintonizados com o novo momento da vida nacional, e alinhados com a orientação da Força Sindical nacional, presidida pelo também deputado federal, Paulo Pereira da Silva, reafirmamos nossa postura proativa e parceira.

Por outro lado, é importante registrar que vivemos um novo momento da vida nacional, no qual, diante da crise, e diferente de governos anteriores, tivemos espaço para implementar as nossas sugestões. Nesse sentido, destacamos o papel do Ministro do Trabalho, Carlos Lupi, que além de garantir o registro formal das Centrais Sindicais, esteve à frente das políticas de combate à crise. Pela primeira vez na história do país, a conta da crise não recaiu sobre os ombros dos trabalhadores e dos mais pobres. Ao contrário, fomos nós os principais agentes e alvos das políticas públicas de fortalecimento do mercado interno.

Vivemos hoje um momento de profundo debate sobre os destinos do país e, em particular, do nosso estado, com desdobramentos que podem comprometer o presente e o futuro das novas gerações. A nós trabalhadores interessa consolidar os espaços alcançados e avançar para ampliar conquistas, como as 40 horas semanais, a qualificação profissional, a geração de emprego e renda e o Trabalho Decente. Não faz parte de qualquer projeto do mundo do trabalho retroceder ao privatismo, ao “estado mínimo” e ao desrespeito às entidades sindicais.

Somos uma central plural, comprometida com os interesses dos trabalhadores gaúchos, de todas as categorias, dos grandes centros urbanos e do interior, a quem abrimos nossas portas para que façam da nova sede a sua casa. Mas, mais do que isso, também temos compromisso com o conjunto dos gaúchos, que traduzimos na defesa da extinção da faixa de fronteira, redução de impostos e políticas públicas de desenvolvimento econômico e social. Nesse sentido, queremos e lutamos por um Rio Grande no rumo da história, unido em defesa do bem comum, onde, definitivamente, a “síndrome de Gre-Nal” fique restrita à saudável disputa nos campos de futebol.

* Clàudio Janta, presidente da Força Sindical - RS.