quarta-feira, 30 de março de 2011

20 anos da Força Sindical Força Sindical recebe homenagem da Câmara de Vereadores de Pelotas


Janta recebe homenagem em Pelotas
A Força Sindical recebeu mais uma homenagem pelos 20 anos completados no início de março. Dessa vez, a apreciação foi recebida pelo presidente Clàudio Janta em Pelotas, durante ato proposto pelo vereador Zequinha dos Trabalhadores Aposentados (PDT). Janta também recebeu cumprimentos pelo apoio e parceria em decorrência dos 78 anos do Secpel(Sindicato dos Comerciários de Pelotas) na Câmara de Vereadores do município.

Pelotas faz parte da região Sul do Rio Grande do Sul. Considerado uma das capitais regionais do Brasil, possui uma população de 327.778 habitantes e é a terceira cidade mais populosa do Estado. Na história econômica, destacou-se a produção do charque que era enviado para todo o Brasil, e fez a riqueza de Pelotas em tempos passados. Daí se originou a arquitetura e a riqueza cultural que até hoje colocam em destaque o município.

A cidade conta com cinco instituições de ensino superior, quatro grandes escolas técnicas, três teatros, uma biblioteca pública, vinte e três museus, dois jornais de circulação diária, três emissoras de televisão, um aeroporto e um porto flúvio-lacustre localizado às margens do Canal São Gonçalo.

Em Pelotas é realizada todos os anos a tradicional Fenadoce, festa de eventos ancorada pelos famosos doces de origem portuguesa.

Na economia, a vocação econômica de hoje é o agronegócio e o comércio. No setor primário, a região de Pelotas é a maior produtora de pêssego para a indústria de conservas do país, além de produzir outros produtos como aspargo, pepino, figo e morango. O município também é grande produtor de arroz e rebanho bovino de corte. Pelotas possui a maior produção de leite do Estado.

No setor secundário, há a presença de indústrias ligadas ao setor de agronegócios, têxtil, curtimento de couro e panificação. Reflorestamento para produção de papel e celulose tem sido uma atividade econômica emergente em toda a região.

No setor terciário, o município é grande centro comercial na região, atraindo compradores de toda a região para as suas galerias e lojas localizadas no calçadão e bairros.


Em seu discurso de agradecimento, o presidente Janta destacou as bandeiras de lutas da Força Sindical, tendo a qualificação profissional como grande desafio, além da realização da Copa do Mundo no Brasil, o polo petroquímico e o que representa empreedimentos como a Aracruz. "Esses são os desafios do movimento sindical e eu tenho a honra de estar ao lado de grandes lideranças locais. Muito obrigado e muita força para a Câmara de Vereadores de Pelotas", afirmou, sendo aplaudido pelos presentes no plenário.

O vereador Zequinha, na homenagem à Força e ao Secpel, afirmou que as duas entidades são fundamentais para a classe. "Dedico esta homenagem ao Secpel pelos seus 78 anos, aos diretores pela sua participação que fortalece a cada dia nossas lutas. Os resultados são muito positivos. Vida longa aos comerciários e a toda a diretoria do Secpel", comemorou.

Segundo Zequinha, os projetos da Força Sindical são muito importantes para todos trabalhadores do município. "Cumprimento a central pela luta que realiza um trabalho com tanta maestria aqui para nosso Estado. Parabéns Força Sindical", bradou, realizando um relato da história da central e das atividades realizadas nos 20 anos de existência.

O sindicalista do Secpel José Luis Porto Ferreira, que é colaborador e também apoiado pela Força Sindical no município, ressaltou que a central incetiva o reforço de lutas. "Nossa principal bandeira é a redução da jornada de trabalho. Devemos retomar a campanha pelo domingo não e também não ao trabalho aos feriados", disse. Ele falou em nome de toda a diretoria do Secpel.


Entre os presentes na solenidade, estavam representantes do Sindec/Poa, Sindicato dos Trabalhadores de Transporte Rodoviário de Pelotas, Sindicato dos Metalúrgicos de Pelotas, Sindicato dos Vigilantes de Pelotas e Rio Grande, Federação dos Vigilantes do RS, Sindicato do Asseio e Conservação, Fetracos e Conselho Municipal de Saúde.

Dentre os políticos presentes, se destacaram o deputado estadual Nelsinho Metalúrgico (PT) e o deputado estadual Catarina Paladini (PSB).


Em Pelotas, são filiados à Força Sindical ainda o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria, Sindicato dos Trabalhadores na Indústria Químicas e Farmacêuticas de Pelotas, Sindicato Profissional dos Vigilantes, Empregados de Segurança e Vigilância e dos Trabalhadores em Serviços de Segurança Pessoal e Afins de Pelotas e Região, Sindicato dos Empregados em Entidades Culturais, Recreativas, de Assistência Social, de Formação e de Orientação Profissional de Pelotas, Colônia de Pescadores Z-3 Pelotas.


Com informações da Prefeitura Municipal de Pelotas.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Faixa de Fronteira Leia a Carta de Uruguaiana do 3º Seminário sobre a Faixa de Fronteira


Lélio, Villaverde, Janta e Maia
O evento aconteceu de 23 a 26 de março e originou a Carta de Uruguaiana com as seguintes deliberações:

Nesta terceira edição do Seminário da Força Sindical sobre a Faixa de Fronteira do Mercosul, a Força Sindical do Rio Grande do Sul apresenta os resultados das primeiras edições com encaminhamentos aos Parlamentos Estadual, Federal e do MERCOSUL.
Cada vez faz-se mais imperiosa a descrição precisa, acadêmica, do que efetivamente compõe a Faixa de Fronteira e das relações que ocorrem nesta região cuja caracterização hoje se retoma.
A Lei nº 6.634, de 1979, é pelo menos dez anos anterior ao Tratado de Assunção, que cria o MERCOSUL, ainda totalmente desconsiderada, pois que no chamado “Arco Sul” das fronteiras brasileiras temos apenas três estados da região sul – Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, que fazem fronteiras somente com países integrantes deste tratado Argentina, Paraguai e Uruguai. Ensejamos no nosso entendimento um tratamento diferenciado, o que não ocorre decorridos vinte anos da assinatura do Tratado.
É importante também o estudo e a proposta de atualização das legislações ambientais, trabalhistas, educacionais, de trânsito e outras que possam e devam ser equalizadas para que não ocorram desequilíbrios entre os componentes do bloco econômico latino-americano em implantação.
Com estas considerações foram propostas:

1. A realização da 5º Conferencia Internacional do Bioma Pampa, em novembro de 2011, nas cidades de Santana do Livramento/Brasil e Rivera/Uruguai;
2. A realização do 4º Seminário Internacional da Faixa de Fronteira, em março de 2012, nas cidades de Uruguaiana e Passo de Los Libres/Argentina;
3. A realização do 1º Seminário de Educação e Qualificação Profissional de Trabalhadores a ser promovido pela Força Sindical RS, em 2011;
4. Realizar o 1º Seminário sobre a Legislação nas Áreas Tributária, Financeira, Ambiental, de Transporte, e outras, buscando reduzir as assimetrias no Bloco MERCOSUL;
5. Atuar junto aos Parlamentos Municipais, do Estado, da União e do MERCOSUL, ampliando o debate sobre o tema Faixa de Fronteira;
6. Revisar o atual conceito de Faixa de Fronteira nas suas dimensões restritivas ao investimento, à geração de emprego e renda, sem que isto signifique abrir mão da segurança em nossas fronteiras;
7. Ampliar investimentos em logística de transporte com maior eficiência energética – ferrovia e hidrovia, em especial em linhas internacionais na Faixa de Fronteira, tendo como primeira experiência o Trem de Turismo do Mercosul (Rivera – Livramento – Cacequi – Uruguaiana - Passo de los Libres);
8. Apoio ao PL 6.316, de 2009, do Dep. Marco Maia, com emenda do Dep. Ibsen Pinheiro, que trata da criação de Free Shops, agregando a criação/implantação de Zonas de Processamento de Exportação – ZPEs;;
9. Atuar na implantação de Aeroportos Regionais, como forma de viabilizar o turismo e facilitar o acesso aos centros decisórios políticos e econômicos, na Faixa de Fronteira;
10. Conferência sobre Geração e Distribuição de Energia;
11. Moção de Repúdio à Lei Federal que cria o instituto da Reserva Legal, inexistente nos demais países do Bloco Mercosul, o que ampliará as assimetrias legais;
12. Efetiva participação do Estado do Rio Grande do Sul (Poder Executivo, Legislativo, representação patronal e de trabalhadores – Força Sindical) no Grupo de Trabalho Interfederativo criado pelo Ministério da Integração Nacional, oriundo de proposição do Comitê de Articulação Federativa (CAF), da Secretaria de Relações Institucionais (SRI) da Presidência da República;
13. Criar a Agência de Desenvolvimento da Faixa de Fronteira – Rio Grande do Sul;
14. Obter o relatório com as ações dos dois últimos anos dos Fóruns das duas Mesorregiões, criadas no âmbito do Ministério da Integração Regional para estudar as regiões “Metade Sul do Rio Grande do Sul” “Grande Fronteira do Mercosul” e propor ações com vistas a recompor suas dinâmicas evolutivas;
15. Estudar a implementação de novas atividades produtivas na Faixa de Fronteira, respeitando a cultura, a história e outros fatores locais;
16. Que ocorra reciprocidade na aplicação de medidas, garantindo que aos parceiros do Bloco MERCOSUL ocorra equilíbrio e justiça;
17. Estabelecer um Observatório de Emprego na Faixa de Fronteira, realizando um censo econômico-produtivo;
18. Estabelecer políticas específicas de capacitação e formação profissional a serem aplicadas na Faixa de Fronteira;
19. Criar uma Comissão na ALRS sobre a FERROSUL, que una os municípios da Faixa de Fronteira, facilitando o transporte de cargas e passageiros, ligando o Porto de Rio Grande ao de Buenos Aires, Montevideo e Assunção;
20. Reverter a condição dos produtores de alimentos, considerados hoje “bandidos ambientais” para “ambientalistas de primeira linha”, garantindo subsídios, pagamento de compensação por serviços ambientais, e, principalmente, evitar a criminalização de produtores rurais.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Faixa de Fronteira Audiência pública aborda os problemas do setor arrozeiro, integração e desenvolvimento da Fronteira



A audiência pública da ALRS chamada pela Força Sindical-RS no 3º Seminário da Faixa de Fronteira em Uruguaiana começou na manhã desta sexta-feira com uma participação positiva do público em geral. A audiência trata da Vivificação da Fronteira e conta com a participação do público em geral e de entidades como a OAB, Associação dos Arrozeiros, Força Verde e Federarroz.

O presidente da Força Sindical-RS abriu os trabalhos e disse em seu discurso que a central tem grande interesse em discutir a Faixa de Fronteira. Ele lembrou que em 2010 o Conselho do Mercosul sugeriu que as regras da faixa, que a tornam de exclusão, fossem extintas da legislação e que os países fossem realmente integrados numa área de livre comércio. No entanto, nada evoluiu nessa direção.

Janta também criticou a ausência dos presidentes e suplentes das quatro comissões da ALRS que aprovaram a audiência. O único representante presente foi o deputado estadual Frederico Antunes, que também é vice-presidente da Assembleia. As comissões que integram a audiência são: Mercosul, Meio Ambiente e Saúde, Economia e Finanças e Agricultura, Pecuária e Cooperativismo.

"Queríamos que os presidentes das comissões estivessem aqui, que sentissem na pele a distância da Fronteira. É com muito pesar que lamentamos a ausência dos demais presidentes, porque o deputado Frederico Antunes está sozinho representando a ALRS", disse o presidente da central.

O presidente do Legislativo local, Ronnie Mello, mais uma vez agradeceu a central por promover o evento e escolher a cidade para realizar o seminário. Ele informou que a questão dos problemas da produção do arroz foi proposta para discussão pelo vereador Gilberto Risso. "Temos um problema sério do preço do arroz e da concorrência desleal. O principal dessa discussão é a falta de políticas públicas também para o setor da pecuária", disse.

Segundo o vereador Ronnie, o arroz gaúcho não está recebendo a valorização que merece pela sua qualidade. O arroz deveria ser vendido a R$30 a saca e é vendido a R$17, pouco competitivo com o produto argentino, que além do valor, recebe incentivos do governo que o Brasil não recebe.

O vice-cônsul Lucas Brandão prestigiou a audiência.

Em sua fala, o deputado Frederico Antunes também agradeceu a Força Sindical-RS por "ajudar a agrupar forças políticas pela geração de emprego e renda em regiões que sofrem concorrência desleal, como no caso da Fronteira".

"A Força Sindical tem sido a bandeira que nos agrupa e nos leva a discutir com mais objetividade", disse Antunes.

O deputado saudou os vereadores dos municípios presentes e destacou a importância da União dos Vereadores da Fronteira. Comentou que falta disposição de agentes políticos para fazer mais do que falar. "Os demais deputados reconhecem nossas demandas mas não as colocam como prioridades simplesmente porque não são da região e não vêm aqui", criticou.

Segundo ele, a desculpa do tempo e da distância impede o maior envolvimento dos deputados com as demandas de São Borja, uruguaiana, Itaqui, São Gabriel, Quaraí, Livramento. "Somos defensores do atendimento urgente de medidas para os produtores de arroz. Estamos aqui para ouví los", afirmou.

Frederico informou que durante a tarde será entregue um documento ao presidente da Câmara Federal, Marco Maia, exigindo urgência de medidas para a região e o setor do arroz.

Faixa de Fronteira Palestrantes discutem números do emprego e investimentos da região da Fronteira


Franzoi em pé
A primeira palestra da tarde continuou sobre o tema Trabalho na Fronteira com os convidados. O supervisor técnico do Dieese Ricardo Franzoi abriu os trabalhos traçando a evolução do emprego na Faixa de Fronteira. Ele apresentou dados que demonstram o grande número do mercado informal de emprego na região. "Há uma grande possibilidade do trabalhar estar no mercado informal e não estar nas estatísticas", disse Franzoi.

Segundo o técnico, também não cabe mais a expressão Metade Sul, porque existe uma necessidade latente e particular da Fronteira. Ele sugere que o governo estadual crie a Secretaria da Fronteira para tratar dos problemas da região.

Em municípios como São Borja, Bagé, Quaraí, Barra do Quaraí e Alegrete a taxa de emprego formal é de 20%. Outros lugares como Candiota apresentam melhores dados de emprego porque a aumentou a fiscalização do Ministério de Trabalho e Emprego para a formalização em carteira assinada, informou o presidente da Força Sindical-RS, Clàudio Janta.

Franzoi falou ainda na importância de fixar o desenvolvimento nas cidades, não adiantando só empresas se instalarem e deixarem investimentos nos municípios e nem investir na qualificação profissional dos trabalhadores. Outra questão importante é diversificar a economia para não ficar dependente de um tipo de atividade apenas.

Já o economista Mário de Lima, assessor da Força, abordou os aspectos econômicos oriundos de transferências e rendas que impactam direto nos cofres municipais. Segundo ele, 21% da receita de cidades como Uruguaiana e Quaraí contam com os repasses federais do Fundo de Participação Municipal, representando parte significativa no orçamento dos municípios. Mário sugere promover um desenvolvimento endógeno para manter a população na Fronteira. Citou ainda a valorização e melhoria das virtudes locais, o desenvolvimento de cadeias produtivas de forma transversal com os três entes da federação.

A lei que define a região de fronteira e que a exclui dos outros polos de desenvolvimento do Estado foi amplamente criticada pelas palestras da tarde. Segundo o economista a lei dos anos 1970 representa a exclusão institucionalizada.

Por fim, Mário sugeriu que o governo estadual adote as questões da região da Fronteira em uma câmara temática do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES). Mário disse que depender do fundo de participação não é positivo para o município.

"O desenvolvimento da região depende de uma articulação de todos os atores sociais e que seja feita de forma multidisciplinar. É uma região em situação delicada, cujas projeções não são otimistas", afirmou.

O presidente Janta comentou a palestra de Mário e afirmou que o evento não mudará de lugar, pois interessa à Força promover a inserção da região no mundo do emprego e da renda.

Faixa de Fronteira Janta apoia criação de Free Shop em São Borja


Jeovane entrega documento para Janta
O vereador de São Borja Jeovane Contreira entregou ao presidente da Força Sindical-RS, Clàudio Janta, um documento em que solicita apoio ao município para ser autorizado para criação de uma Zona de Processamento de Exportação - ZPE. Além disso, requer também que São Borja seja beneficiada como cidade inclusa no projeto que permite a instalação de Free Shop.

O presidente Janta acolheu o material e afirmou que estará do lado do município e lutará pela aprovação urgente do projeto na ALRS, na Comissão do Mercosul e Assuntos Internacionais da ALRS. A documentação dá conta de que o tema já foi debatido na Assembleia. O vereador Jeovanne participa do Seminário sobre a Faixa de Fronteira junto com outro vereador do município, o Farelo Almeida.

Faixa de Fronteira Audiência pública aborda os problemas do setor arrozeiro, integração e desenvolvimento da Fronteira



A audiência pública da ALRS chamada pela Força Sindical-RS no 3º Seminário da Faixa de Fronteira em Uruguaiana começou na manhã desta sexta-feira com uma participação positiva do público em geral. A audiência trata da Vivificação da Fronteira e conta com a participação do público em geral e de entidades como a OAB, Associação dos Arrozeiros, Força Verde e Federarroz.

O presidente da Força Sindical-RS abriu os trabalhos e disse em seu discurso que a central tem grande interesse em discutir a Faixa de Fronteira. Ele lembrou que em 2010 o Conselho do Mercosul sugeriu que as regras da faixa, que a tornam de exclusão, fossem extintas da legislação e que os países fossem realmente integrados numa área de livre comércio. No entanto, nada evoluiu nessa direção.

Janta também criticou a ausência dos presidentes e suplentes das quatro comissões da ALRS que aprovaram a audiência. O único representante presente foi o deputado estadual Frederico Antunes, que também é vice-presidente da Assembleia. As comissões que integram a audiência são: Mercosul, Meio Ambiente e Saúde, Economia e Finanças e Agricultura, Pecuária e Cooperativismo.

"Queríamos que os presidentes das comissões estivessem aqui, que sentissem na pele a distância da Fronteira. É com muito pesar que lamentamos a ausência dos demais presidentes, porque o deputado Frederico Antunes está sozinho representando a ALRS", disse o presidente da central.

O presidente do Legislativo local, Ronnie Mello, mais uma vez agradeceu a central por promover o evento e escolher a cidade para realizar o seminário. Ele informou que a questão dos problemas da produção do arroz foi proposta para discussão pelo vereador Gilberto Risso. "Temos um problema sério do preço do arroz e da concorrência desleal. O principal dessa discussão é a falta de políticas públicas também para o setor da pecuária", disse.

Segundo o vereador Ronnie, o arroz gaúcho não está recebendo a valorização que merece pela sua qualidade. O arroz deveria ser vendido a R$30 a saca e é vendido a R$17, pouco competitivo com o produto argentino, que além do valor, recebe incentivos do governo que o Brasil não recebe.

O vice-cônsul Lucas Brandão prestigiou a audiência.

Em sua fala, o deputado Frederico Antunes também agradeceu a Força Sindical-RS por "ajudar a agrupar forças políticas pela geração de emprego e renda em regiões que sofrem concorrência desleal, como no caso da Fronteira".

"A Força Sindical tem sido a bandeira que nos agrupa e nos leva a discutir com mais objetividade", disse Antunes.

O deputado saudou os vereadores dos municípios presentes e destacou a importância da União dos Vereadores da Fronteira. Comentou que falta disposição de agentes políticos para fazer mais do que falar. "Os demais deputados reconhecem nossas demandas mas não as colocam como prioridades simplesmente porque não são da região e não vêm aqui", criticou.

Segundo ele, a desculpa do tempo e da distância impede o maior envolvimento dos deputados com as demandas de São Borja, uruguaiana, Itaqui, São Gabriel, Quaraí, Livramento. "Somos defensores do atendimento urgente de medidas para os produtores de arroz. Estamos aqui para ouví los", afirmou.

Frederico informou que durante a tarde será entregue um documento ao presidente da Câmara Federal, Marco Maia, exigindo urgência de medidas para a região e o setor do arroz.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Faixa de Fronteira Paineis começam com discussão do Trabalho na Fronteira


O painel Trabalho na Fronteira começou após a abertura oficial do evento com o tema Trabalho na Fronteira. A palestra inicial foi do técnico do IBGE, José Antônio, e logo depois falou o prefeito de Uruguaiana, Sanchotene Felice.

José Antônio apresentou dados comparativos de 2000 e 2008 sobre o PIB da região da Fronteira, sobre o produto integrado da geração de renda a partir da criação de gado e agricultura, por exemplo, que originam serviços.

Os dados também apontaram a alta emigração da região rumo aos grandes centros, especialmente da faixa de idade economicamente ativa, além do nível de envelhecimento no campo. A emigração, explicou José Antônio, causa a fuga de ICM para os grandes centros. A movimentação populacional não ocorre somente para os grandes centros do RS, mas também para outros estados como Matro Grosso, São Paulo, Santa Catarina e Paraná.


Na Faixa de Fronteira houve um crescimento negativo de 2,5% da população, segundo dados do IBGE. O técnico também comentou que falta aliar a indústria ao setor primário da região e que a baixa no setor arrozeiro atinge toda a cadeia econômica dos municípios fronteiriços. A pecuária também carece de integração com a indústria.

O presidente Sanchotene Felice palestrou sobre aspectos sociológicos e sociais das faixas de fronteiras. Segundo ele, para mudar a realidade dessas regiões é ncessário romper barrieras culturais. Ele destacou as dificuldades de crescimento da região, destacando que o desenvolvimento só tem chances de ocorrer se for induzido. "Trabalho e identidade local são questões importantes para pensando o desenvolvimento da Faixa de Fronteira", frisou.

As palestras continuam durante a tarde com o economista da Força Sindical-RS, Mário de Lima, e o supervisor técnico do Dieese, Ricardo Franzoi, e outro parecer do IBGE, entre outros.

Faixa de Fronteira Abertura oficial do 3º Seminário movimenta Uruguaiana


Lélio, José Antônio, Mello, Janta e Frederico Antunes
O presidente da Força Sindical-RS, Clàudio Janta, comandou a abertura oficial do 3º Seminário sobre a Faixa de Fronteira em Uruguaiana na manhã desta quinta-feira. Janta destacou a presença do representante do gabinete do vice-governador, Beto Grill, José Antônio Adamoli, e dos vereadores dos demais municípios da Fronteira. Compôs a mesa ainda o deputado estadual Frederico Antunes e o presidente da Força Verde, Lélio Facão, além do presidente da Câmara de Vereadores de Uruguaiana, Ronnie Mello.

"É um orgulho organizar esse evento em parceria com a Assembleia Legislativa do RS e quero agradecer o governo estadual por se fazer presente", disse.

Janta disse que o evento pretende pensar a Fronteira de maneira que possibilite o desenvolvimento da região. E que a central continuará buscando saídas na ALRS, no Congresso, nos ministérios para que a faixa de exclusão deixa de prejudicar o povo da região.

"Agradecemos os vereadores de São Borja, São Gabriel, Sant´Anna do Livramento que vieram discutir e compartilhar conhecimentos", disse.

Lélio Falcão também agradeceu a disponibilidade do Legislativo uruguaianense e a continuidade do evento. Ele destacou os 20 anos do Tratado do Mercosul e disse que os avanços serão visíveis quando a Fronteira atingir o patamar de desenvolvimento que merece.

"A Faixa de Fronteira e sua legislação indicam um arcaísmo do tempo em que tínhamos medo de sermos invadidos por inimigos", comparou.

Lélio destacou ainda o nível do seminário, que conta com uma audiência pública com a aprovação de cinco comissões da ALRS. Além disso, ressaltou a presença esse ano na audiência do presidente da Assembleia, Adão Villaverde, e do presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia.

O presidente do Legislativo de Uruguaiana, Ronnie Mello, destacou a alegria de receber o seminário e se colocou à disposição para receber sempre que precisar o evento.

O representante do vice-governandor, José Antônio, saudou Janta pela perseverança e empenho em realizar o evento, que é importante para o Rio Grande do Sul e Brasil.

"Trago a mensagem de apoio, valorização e acolhimento ao evento do vice Beto Grill", afirmou.

Em sua fala, destacou a realidade de conhecimento geral e comum de que o RS desenvolveu o Norte e tem sua metade Sul com dificuldades.

"Para solucionar essa questão, teremos uma relação forte com o governo federal no programa das Mesorregiões, nos territórios de cidadania e o programa Faixa de Fronteira", indicou, falando ainda que é impressionante o volume populacional que a região vem perdendo nos anos.

O deputado estadual Frederico Antunes disse que a Força Sindical-RS se destaca pelas grandes lutas que encampa pelo Estado e que o debate demonstra capacidade de apresentar reivindicações com fundamento.

"Estamos amadurecendo aqui a forma de apresentar nossos pleitos, sendo certeiros e objetivos", disse.

Dentre os temas a serem debatidos, o deputado destacou a questão do arroz e questões energéticas da usina de energia limpa e os parques eólicos na Fronteira.

"Somos defensores dos interesses da nossa região", afirmou.

Faixa de Fronteira Janta apoia reivindicação do setor arrozeiro para valorização do produto gaúcho


O presidente Clàudio Janta recebeu das mãos do deputado estadual Frederico Antunes documento que oficializa pedido de medidas para minimizar dificuldades por que passa o setor orizícola da região da Fronteira. O ofício será encaminhado para a presidente da república, Dilma Rousseff. O tema faz parte dos debates do seminário.

O presidente da Força Sindical-RS é sensível às demandas do setor, que gera emprego e renda na região, e também promove o mercado de serviços nos municípios.

O ofício demarca que atualmente a oferta de arroz às indústrias é superior à demanda de comércio e isso vem aviltando o preço do mercado e deixando o preço de custo menor que o valor de produção. O documento é de autoria da Assembleia Legislativa Gaúcha e reivindica que a presidente suspenda temporariamente a entrada do arroz estrangeiro no Brasil, protegendo e valorizando o produto produzido no país. Além disso, pede a prorrogação dos vencimentos do Empréstimo do Governo Federal e a liberação de recursos para a compra do arroz, via preço mínimo, gerando para os produtores e produtoras brasileiros uma expectativa concreta de melhora urgente.

O ofício leva a assinatura do presidente da ALRS, Adão Villaverde, do deputado Frederico Antunes, do deputado Chicão Gorski, do deputado Edson Brum e conta com apoio e mobilização das Câmaras de Vereadores de São Borja, Uruguaiana e Quaraí.

Evento Seminário sobre a Faixa de Fronteira inicia com mostra fotográfica e presença de lideranças

Janta, junto com diretores, lideranças sociais e vereadores de Uruguaiana e São Borja
A Força Sindical-RS iniciou hoje os trabalhos do Seminário sobre a Faixa de Fronteira em Uruguaiana, durante a abertura da mostra fotográfica "O Olhar do Trabalhador sobre o Bioma Pampa", na Câmara dos Vereadores do Município. Também iniciou no final da tarde o credenciamento dos participantes. Muitos vereadores realizaram inscrições, como os do município de São Borja.

Coube ao presidente da Força Verde e diretor organizador do seminário, Lélio Falcão, fazer a primeira fala do evento. Segundo Lélio, as fotografias da mostra mostram a natureza dos municípios da Fronteira e seu ecossistema natural e social, retratando também a "mão do trabalhador e sua influência na composição do bioma".

"Sem a criação de animais e o cultivo das plantações no bioma, o pampa não seria como é. Agradeço à Câmara de Vereadores de Uruguaiana, que mais um ano nos recebe para discutirmos o desenvolvimento dos municípios da Fronteira", disse.

O presidente do Legislativo uruguaianense, vereador Ronnie Mello, prestigiou a mostra e destacou o empenho da Força Sindical-RS em não se contentar em ser apenas uma central de contestação, mas também ser uma central que se preocupa com grandes questões sociais, como o desenvolvimento regional .

"A Força busca a geração de emprego e renda na sua prática cotidiana. O foco da central leva em consideração viés ambiental e nisso se vê a importância da Força Verde, este braço da Força Sindical", afirmou Mello.

O presidente da central, Clàudio Janta, agradeceu a acolhida de Mello e do vereador Rogério Moraes, que estava presente na solenidade e é um companheiro das lutas da Força Sindical.

"Para nós é função da cerntral não ficar só num agrupamento sindicalista, mas discutir, por exemplo, por que os jovens não ficam na região quando fazem faculdade. Discutir por que não há estágio em medicina, em administração, em engenharia nos municípios da Fronteira. Não adianta trazer faculdade para cá se não tiver emprego e onde estagiar", argumentou Janta.

Janta disse que por essas razões a central realiza o evento, para que a Fronteira deixe de ser uma região de exclusão, diante da realidade de que na verdade o espaço é rico em recursos naturais e humanos, mas falta vontade e empenho político para desenvolvê-lo.

"Quero cumprimentar também o presidente da Casa do Povo por abrir suas portas a esse debate", concluiu Janta.

O vereador Moraes disse na presença de toda a equipe de apoiadores e diretores da Força Sindical-RS que se sentissem em casa: "Valorizamos muito vocês, essas pessoas que fizeram essa maratona de atravessar o Estado para tratar de um tema tão importante para o povo da Fronteira, a casa é de vocês e espero que tenhamos grandes resultados", disse.

terça-feira, 22 de março de 2011

Homenagem Força Sindical recebe homenagem pelos seus 20 anos da Câmara de Vereadores de São Leopoldo


O presidente da Força Sindical-RS, Clàudio Janta, recebeu homenagem ontem em sessão solene na Câmara de Vereadores de São Leopoldo pelos 20 anos da Força Sindical, completados no dia 8 de março.

O município de São Leopoldo é um dos mais prósperos do Rio Grande do Sul, tanto economicamente, como culturalmente. Inicialmente povoada por açorianos, já era um vilarejo quando em 25 de julho de 1824 a primeira leva oficial de imigrantes alemães chegou ao Brasil, enviada por Dom Pedro I com a intenção de povoar a região.

Atualmente, está situado entre os dez mais expressivos no PIB do Rio Grande do Sul, e possui um diversificado parque industrial globalizado - do setor coureiro calçadista a empresas de alimentos - além de expressivo setor comercial e de serviços.

Há diversas líderes mundiais multinacionais instaladas na cidade como as alemãs STIHL, SAP, ENSINGER e GEDORE. Situa-se também na cidade o maior pólo de informática do estado do Rio Grande do Sul, vinculado à Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Por essas razões a Força Sindical se orgulha muito da homenagem recebida pelo Legislativo do município, parte da Grande Porto Alegre.

Na mesa principal da solenidade de ontem estavam o vereador proponente da homenagem, Fernando Henning (PPS); o homenageado que representou a Força Sindical, presidente Clàudio Janta; a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos, Aida de Souza; a presidente do Dem, Cristina Santos; o presidente do PSDB, Cláudio Giacomini; o presidente do PHS, Jorge Brilhante; a vereadora do PDT Jani Batistelo; e o vereador do PDB Geraldo Passos.

O vereador Fernando Henning destacou em seu discurso que a homenagem evidencia que a Câmara de São Leopoldo está junto com as campanhas e lutas da central, destacando o importante papel social da Força Sindical. "Ficamos muito satisfeitos pela luta em prol do aumento do salário mínimo, não posso deixar de compactar com as bandeiras da Força, que é contra os impostos. Por tudo isso, aplaudimos o trabalho realizado pela central", afirmou, entre aplausos.

Ele não deixou de citar as bandeiras de maior luta da Forçla, como a qualificação profissional. "Em São Leopoldo não temos pessoal qualificado para ocupar as vagas disponíveis. Temos que juntar nossas forças para qualificar o povo. Estamos precisando desta parceria com a Força Sindical para ter uma visão melhor do futuro. Este é o reconhecimento de cada um de nós pelas lutas e pelos esforços. Contem com cada um de nós para que tenhamos um futuro bem melhor", disse.

O presidente Clàudio Janta emocionou-se com o reconhecimento dos vereadores de São Leopoldo e agradeceu o apoio às bandeiras de luta da central. "Temos que preparar esta gama de trabalhadores sem qualificação, temos que reativar as escolas técnicas. Agradecemos aos vereadores da Câmara pela grande e importante homenagem que não é para mim e sim para os trabalhadores. Estamos muito felizes e satisfeitos pelo reconhecimento à credibilidade da central", afirmou.

A vereadora Aida de Souz agradeceu a ajuda que a Força presta, agradeceu o amparo e parabenizou os sindicalistas presentes. Já Jani Batistelo disse que estava muito alegre em homenagear Janta. "Como mulher, ressaltamos nossas conquistas e nossas lutas, me sinto honrada por estar aqui fazendo minha homenagem sincera e singela por todas aquelas que lutam por seu espaço na sociedade", disse.

Cláudio Giacomini.Cristina Santos também disse estar lisongeada, assim como. "É a central mais atuante, parabenizo o proponete e a Força Sindical pelo excelente trabalho realizado", disse.

Geraldo Passos também parabenizou a Força: "Que continue sempre na luta pelos menos favorecidos pois só assim conquistaremos melhores condições de trabalho e distribuição de renda", destacou.

No final da solenidade, o presidente Janta recebeu uma placa.


Com informações da Força Sindical-RS e da Wikipedia.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Força do Pensamento Debate sobre Vale Cultura abre 1º Força do Pensamento

Pieira, Barbosa e Janta
O 1º ciclo de debates e palestras Força do Pensamento iniciou na manhã desta sexta-feira com bom público. Participaram com perguntas aos palestrantes os sindicatos da região metropolitana e do interior do Estado filiados à Força Sindical-RS, além de convidados. O presidente da Força Sindical, Clàudio Janta, inaugurou os trabalhos afirmando que a iniciativa busca resolver a "inquietude do trabalhador ao não compreender por que não tem acesso a bons espetáculos, shows, livros e maior acesso à cultura, sendo que muitas atividades tem financiamento público e dependem de seu próprio trabalho".

O diretor da Força Luis Carlos Barbosa também compôs a mesa.

"Quando nos sentimos ignorantes sobre algo, vamos atrás para resolver isso. Por isso, nós trabalhadores estamos aqui para discutir e entender por que não conseguimos ir ao cinema, por que grandes circos visitam nossa cidade e não podemos prestigiar", afirmou.

Janta citou ainda a exclusão cultural e as dificuldades de sustento dos profissionais de cultura enquanto grandes empresas lucram muito.

A primeira mesa foi sobre Vale Cultura (Aprovação e Implementação), com a palestra de Jorge Pieira - Secretario Substituto da Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura - Ministério da Cultura. Ele explicou que o vale será destinado a pessoas que têm vínculo empregatício e ganham até cinco salários mínimos. O projeto está tramitando na Câmara Federal e deve chegar ao trabalhador ainda em 2011. O Vale Cultura terá valor de R$ 50,00 e será usado para obter ingressos, teatro, cinema, cursos, livros, cds, etc.

"O movimento sindical terá um papel importante na pulverização dessa política, que é muito importante para o trabalhador. O trabalhador tem direito à cultura", disse Janta.

A abordagem do superintendente do Minc produziu perguntas entre a plateia, às quais foram respondidas por Pieira, elucidando as dúvidas dos presentes.

Segundo Pieira, cortes do orçamento reduziram os investimentos do Minc, mas o ministério pretende priorizar a implementação do ticket cultural no país até o final do ano.

Manifestação Força Sindical-RS participa de manifestação em frente ao Piratini pelo desenvolvimento de Charqueadas

Prefeito Gilmar (camisa rosa), Janta e Arisnei
Mais de 600 pessoas, incluindo trabalhadores, políticos e lideranças da região carbonífera do Estado, protestaram hoje durante o dia em frente ao Palácio Piratini para que a Secretaria do Meio Ambiente do Estado e a Fepam ( Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler - RS) liberem a licença ambiental da instalação da Empresa Iesa em Charqueadas. A Iesa Óleo e Gás é fabricante de módulos para plataformas de petróleo.

O governo estadual está perdendo os prazos de envio da documentação através da Fepam para que a Iesa entre na concorrência nos editais do pré-sal, afirmou o prefeito de Charqueadas, Davi Gilmar de Abreu Souza.

As manifestações, que tiveram carro de som, bandeiras e apitaços, contou a particpação ainda de vereadores e prefeitos de Butiá, Arroio do Meio e General Câmara, além do representante da Iesa no Brasil, Eduardo Coelho. A Força Sindical-RS está desde a manhã ao lado dos trabalhadores, que reivindicam que a empresa seja instalada no município, o que pode gerar dois mil empregos diretos e indiretos.

Todos intercedem para que o govenro agilize a liberação da documentação até o mês da abril, no máximo.

O presidente da Força Sindical-RS, Clàudio Janta, disse que mais uma vez a questão burocrática de licenças ambientais está travando a geração de emprego e renda numa região que já apresentou todos os critérios exigidos para a instalação de um empreendimento sustentável.

"A questão ambiental vive em um tripé: meio ambiente, desenvolvimento econômico e desenvolvimento social. Novamente o atraso ambientalista se sobrepõe ao social. Estamos vendo aqui uma região que precisa se desenvolver correr o risco de perder 2000 postos de trabalho", afirmou.

Conforme Janta, o governo tem a obrigação de preservar o meio ambiente, desenvolver a economia e, principalmente, zelar e trazer conquistas para o social.

"Já há as contrapartidas ambientais para a instalação da empresa, que não pode ficar a mercê da burocracia ambientalista. Não podemos ter em Charqueadas uma nova segunda Ford ou uma segunda discussão da sivicultura. Se a Iesa pode se instalar em Santa Catarina, por que não pode gerar emprego e renda no Rio Grande do Sul?", questionou.

Segundo o verador de Charqueadas Arisnei Rocha, as pessoas da região vieram até Porto Alegre, porque estão preocupadas com a perda dos empregos e da renda de centenas de empregos diretos e indiretos.

"Esperamos sair hoje com a garantia de que a Fepam libere mais rapidamente as licenças para que as obras da Iesa comecem, se não a empresa vai ir para Santa Catarina", afirmou Arisnei.

A possibilidade de lideranças serem recebidas pela Casa Civil durante a tarde acalmou a apreensão entre os manifestantes, que citam outras perdas de empreendimentos no Jacuí.

"Precisamos do respaldo do governo à região carbonífera e da sensibilidade do governo para que não percamos mais um investimento na região", disse o prefeito de Butiá, Paulo Roberto Machado.

Outra reclamação dos vereadores é que a região serve de foco para instalação de presídios, mas quer ser valorizada por empreendimentos e investimentos que gerem renda e trabalho.

O objetivo do ato é conseguir antecipar a audiência pública para daqui 10 dias e que as licenças sejam feitas até o dia 15 de abril. Esses são os prazos da Iesa no Estado.

Fetracos Reunião da Fetracos mobiliza dirigentes sindicais em Guaíba no planejamento de atividades


Dirigentes dos sindicatos dos comerciários filiados à Fetracos (Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores no Comércio da Força Sindical no Rio Grande do Sul) estiveram reunidos ontem no SEC de Guaíba para tratar da agenda das entidades, informes e demais encaminhamentos das atividades da federação.

Representantes dos sindicatos filiados expuseram a agenda das entidades e os objetivos comuns à Fetracos. Dentre os destaques do período, está a mobilização da categoria através de seus sindicalistas na campanha pelo salário mínimo nacional em duas viagens a Brasília. A pauta da última reunião foi recuperada pelo vice-presidente da Fetracos, Dionísio Mazui, que também é presidente do Sindec de Quaraí.

"Nosso objetivo sempre é discutir as condições dos comerciários na federação", afirmou o presidente da Fetracos, Clàudio Janta. Também foi comentada a filiação à confederação, tema que tem sido discutido pelo secretariado da Força Sindical e que envolve uma grande campanha de regulamentação da profissão.

O presidente Janta, que comanda a Força Sindical-RS, ressaltou a importância dos dirigentes em informar e envolver a federação na atividades dos sindicatos.


Cada representante de entidade relatou as questões referentes a sua localidade, a agenda de atividades e como está a mobilização da categoria, incluindo a definição das datas base e dissídios.

A organização do Congresso da Fetracos concentrou atenções dos presentes. O evento acontecerá em Torres, nos dias 6 e 7 de maio. Já a comemoração do 1° de maio está pré-definida com missa e shows. Haverá ainda eventos da Fetracos no interior do Estado.

Os dirigentes também avaliaram os primeiros 3 meses do governo da presidente Dilma Rousseff e do governador gaúcho Tarso Genro.

Participaram da reunião dirigentes dos sindicatos de Eldorado, Canoas, Guaíba, Pelotas, Quaraí, Porto Alegre e Alvorada.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Cultura Primeira edição do Força do Pensamento acontece sexta-feira (18). Participe!


A Força Sindical-RS realiza no dia 18 de março, sexta-feira, a primeira edição do Força do Pensamento - ciclo de debates sociais, econômicos e culturais, no auditório de sua sede (av. Cristóvão Colombo, 203). O tema será "Os trabalhadores e a inclusão cultural".

A ENTRADA É GRATUITA E ABERTA AO PÚBLICO.

A primeira edição do evento contempla três eixos de discussão e conta com palestras de personalidades, ativistas e políticos que tem atuação de destaque em seus nichos, como a deputada federal Manuela D´avila, representantes do Ministério da Cultura, representantes de entidades culturais e de movimentos estratégicos, do governo estadual e municipal, Mario Lima, assessor da Força, e o presidente da Força Sindical-RS, Clàudio Janta.

Os eixos deste primeiro ciclo são: Aprovação e Implementação; Descentralização e Democratização do Acesso; A cultura como geração de emprego e renda; A internet e a democratização da cultura.

Confira a programação:

1. Vale Cultura - 9h (Aprovação e Implementação)
Palestrantes:
Jorge Pieira - Secretario Substituto da Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura - Ministério da Cultura.
Vinícius Gentil Cáurio - Presidente do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculo e Diversão do RS.
Clàudio Janta - Presidente da Força Sindical-RS.

Mediação: Sílvia Duarte - Assessora Cultural da Força Sindical-RS

2. Leis de Incentivo à Cultura - 11h (Descentralização e democratização do acesso)
Palestrantes:
Margarete Moraes - Coordenadora da Região Sul do Ministério da Cultura.
Jeferson Assumção - Secretário Adjunto de Cultura do Estado do RS.
Álvaro Santi - Representante da SMC Porto Alegre.

Mediador: Jacqueline Sanchotene - Viva Gasômetro

3. Economia da Cultura - 14h (A cultura como geração de emprego e renda)
Palestrantes:
Mário de Lima - Economista e assessor econômico da Força Sindical.
Paulo de Tarso - Diretor Técnico da Agenda 2020.

Mediador: Dirney Messias - Produtor Cultural.

4. Banda Larga - 16h (A internet e a democratização da cultura)
Palestrantes:
Manuela D`avila - Deputada Federal.
Lucio Ubertan - Representante da Sec. de Comunicação do Gov. do Estado do RS.

Mediador: Jeferson Tiego - Força Jovem

5. Encerramento

Informações:
51.3228-0098 / 51.97013638
Site: www.fsindical-rs.org.br
Twitter: www.twitter.com/@ForcaSindicalRS

Piso regional Janta afirma: "Não queremos discutir R$ 5, queremos política permanente para o piso regional"

Durante a manhã desta quarta-feira, audiência pública sobre o piso regional concentrou as discussões de deputados e sindicalistas no plenarinho da Assembleia Legislativa. O presidente da Força Sindical-RS, Clàudio Janta, esteve presente e foi uma das lideranças mais enfáticas na defesa de uma política do mínimo regional. Segundo ele, o enfoque da reunião não foi a diferença de índice aprovado no Executivo em relação ao que era pedido pelas centrais, o que representa no mês R$5,00 a menos no salário do trabalhador, já que os sindicalistas reivindicam R$ 615 e o governo quer R$ 610. O que interessa, disse, é uma política programática de valorização.

"Não queremos ficar discutindo por R$ 5, queremos, sim, uma política permanente para o piso regional", afirmou Janta.

Outra questão tratada e que ficou estipulada é que a data base será em janeiro, conforme a Assembleia havia aprovado anteriormente. No entanto, o grande momento da reunião e a maior conquista até o momento se referee à abertura no Legislativo de um canal de reinvidicação junto ao governo estadual por uma política permanente do salário regional.

"Eu mostrei aqueles 5 pilas pra mostrar que não nos interessa ficar discutindo todo ano essa diferença, queremos uma política de valorização permanente", reiterou o presidente da Força Sindical-RS.

A audiência foi proposta pelo deputado Heitor Schuch.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Sessão Solene Homenagem 20 Anos da Força Sindical/RS

A Força Sindical comemora seus 20 anos de fundação neste mês de março. Por conta disso, inúmeras atividades serão realizadas para celebrar a data. Entre elas, o que muito nos honra, a Sessão Solene promovida pela Câmara de Vereadores de São Leopoldo. Neste sentido reenviamos o convite para o evento, em dia e horário expeficificado a baixo.

Sessão Solene Homenagem 20 Anos da Força Sindical

Dia: 21/03

Horário: 19h

Local: Câmara de Vereadores de São Leopoldo - Rua Independência, 66