sábado, 27 de agosto de 2011

Lideranças do PDT e moradores contam com Janta na comunidade de Vau dos Prestes em Encruzilhada do Sul

Clàudio Janta esteve na Comunidade do Espírito Santo, em Vau dos Prestes, 2º Sub-distrito de Encruzilhada do Sul, para rever amigos e integrar reunião do PDT local nesta sexta-feira (26/08/11). Em ato pedetista, o evento contou com discursos que incentivam e mobilizam a população de Vau dos Prestes para que lutem pela reativação dos atendimentos no serviço público. O partido cumpre, assim, um calendário de interiorizações, em que as lideranças se reúnem com as populações locais a fim de encontrarem saída para os problemas. Janta foi convidado e se deslocou até o interior de Encruzilhada do Sul, participando do ato e ouvindo de perto dos anseios da população e lideranças. Cláudio Côrrea, integrante do PDT Porto Alegre e da Executiva Nacional, e Alessandro Medeiros, vice-presidente da UEE-RS, também participaram. O PDT de Encruzilhada conta com três pré-candidatos para concorrer à Prefeitura: o ex-prefeito Conceição Krusser, Rogério Cunha e o vereador Dr. Diego. Outras lideranças são pré-candidatas à Câmara de Vereadores, como o Chicão. 


Coube a Claudinho Côrrea chamar Janta para discursar aos presentes. Antes, comentou que é fundamental que Encruzilhada apresente pessoas com compromisso com o PDT e a população nas próximas eleições. Ele deu um recado a todos os pré-vereadores, destacando que o PDT tem a marca da Legalidade, da igualdade, dos negros, da mulher, da saúde, da educação e do jovem. Ao chamar Janta, disse que o conhece há 25 anos e colocou em relevância sua trajetória ao lado dos trabalhadores, sendo um homem com projeto de presente e futuro.

O sentimento de proximidade entre os integrantes da Comunidade Vau dos Prestes demonstra a generosidade da população de Encruzilhada do Sul. Segundo Clàudio Janta, a emoção ficou visível nas conversas que teve e nos depoimentos das lideranças e moradores do Sub-distrito. “Vim agradecer a generosidade da cidade pelos votos que conquistei no último pleito. Mesmo com um candidato local, vocês abriram as portas para mim. Agradeço em especial os amigos Chicão, Gilson e Conceição”, disse Janta. E prosseguiu: “Esta cidade é uma mina de energias boas, com pessoas que dedicam sua vida pela Saúde, como o vereador Dr. Diego; o Conceição também, uma pessoa que chega a ser chata de tanto que busca o que quer para o bem  público. Em Brasília, onde trabalha pela Famurs, nos ajudou a agendar um espaço no Ministério do Trabalho. Ele bate onde precisar para conseguir as coisas para Encruzilhada”, contou Janta.

Sobre o atual prefeito e a sua gestão, o sindicalista lamentou o descaso e criticou a falta de profissionalismo dos secretários. “Tive um encontro com alguns gestores desse governo e eles não sabiam questões básicas dos projetos de qualificação profissional”, disparou, informando que a Prefeitura de Encruzilhada não tem nenhum projeto apresentado ao BNDES para conseguir recursos. Janta disse ainda que ser do PDT é um orgulho e se colocou à disposição para auxiliar as lideranças e a comunidade a devolver a Prefeitura para o PDT. “Se tivermos o PDT na Prefeitura de Encruzilhada, vamos fazer um mundo melhor. No que precisarem de nós para devolver a Prefeitura para o Trabalhismo, estaremos aqui junto com vocês. E ninguém roubará novamente o PDT, vigiaremos juntos”, garantiu Janta.

Janta leva solidariedade à população desassistida de serviços públicos

Janta conferiu de perto a situação em que se encontra o interior de Encruzilhada do Sul. A comunidade atualmente passa por necessidades com a falta de transporte dos alunos, de postos de saúde e uma crise na agricultura. A origem da situação está na ausência de verbas e recursos que deveriam ser destinados pela Prefeitura Municipal de Encruzilhada do Sul à comunidade.

 

Vau dos Prestes busca também concluir a construção da Associação Comunitária, onde partidários do trabalhismo recepcionaram Janta. Segundo o integrante do PDT de Encruzilhada do Sul Antônio Griguc, o Betinho, o partido está realizando encontros nas comunidades do interior do município para ajudar as populações que estão sem assistência. “O meio rural está abandonado e vem sofrendo com a falta de atenção do poder público. Realizamos os encontros e inserimos a população nas discussões do município”, contou.

O morador de Vau dos Prestes José Prudêncio Louzada, o seu Zeta, confirma que o interior de Encruzilhada está totalmente sem assistência e atendimento de serviços básicos. “Faltam médicos, remédios e os alunos estão tendo que estudar nas escolas de Canguçu. No início da atual gestão da Prefeitura, os médicos atendiam na comunidade, mas há quase dois anos não vêm mais. Não tem atendimento nem na cidade, imagina aqui, com a estrada ruim e a agricultura minguando”, disse. Seu Zeta está confiante que nas próximas eleições essa situação possa mudar. “A eleição vai ser boa, temos lideranças como o Conceição Krusser que podem voltar a nos ajudar, o Dr. Diego também é outra liderança, sempre fui Brizolista e acredito na política”, ressaltou. As comunidades de Maria Santa, Serra dos Nascentes e Posto do Valtinho também passam por situações precárias quanto a serviços públicos.

Suilan Peixoto, que comandou a realização do ato do PDT, explicou que a iniciativa nas comunidades oferece a organização do partido para auxiliar as pessoas. “Estamos de certa forma colocando em ação o plano de governo desse coletivo que se reúne nesta comunidade”, disse.

O presidente municipal do PDT de Encruzilhada do Sul, Iberon Gonçalves, agradeceu a presença de Janta. “Quero agradecer a este sindicalista lutador que veio de Porto Alegre para nos prestigiar. Sua presença nos dá ânimo e nos dá coragem para trilhar o caminho da melhora”, destacou.

Lideranças de Encruzilhada destacam suas trajetórias e saúdam Janta

Chicão, pré-candidato a vereador em Encruzilhada e amigo de Janta, contou sua história como sem-terra e agradeceu a presença da comitiva de Porto Alegre. Com base no assentamento de sem-terras do município, o líder destacou a sua luta ao lado dos trabalhadores sem-terra e mostrou que está preparado para a disputa. Amigo de Clàudio Janta, agradeceu a ajuda do sindicalista que o apóia para que se candidate. “Estou muito feliz por estar aqui com minha liderança maior a nível estadual que é o Janta. Sempre vou apoiar ele”, destacou. E seguiu contando sua história: “Passei por uma árdua luta de classes, ficando acampado durante dois anos com minha mulher e dois filhos com os companheiros sem-terras. Tenho orgulho de estar assentado hoje e quero que outros tenham isso que conquistei, por isso quero me candidatar. Quero dizer também àqueles que pensam que  assentado é tudo PT que isso não é verdade. Tomei um rumo diferente e sou do PDT”, bradou Chicão. 
A comunidade de Vau dos Prestes vem se destacando também por lançar novos nomes na política local. A jovem Aline Leal, 24 anos, é um exemplo. Filha e neta de moradores do Sub-distrito, ela é pré-candidata a vereadora e pediu apoio dos presentes para que seja indicada a concorrer. “Peço o apoio de vocês para concorrer e ter a oportunidade de lutar por melhoras para o interior da cidade”, disse.
            
Outro pré-candidato é o Gilsão, que representa a Comunidade da Maria Santa e aceitou o convite de Vau dos Prestes para integrar o encontro: “O Janta é muito importante para a nossa caminhada”, disse durante seu discurso. Paulo Charão criticou o atual governo da cidade, afirmando que está mandando embora a juventude local. Já o vereador Luís Carlos Galera lembrou que Janta continua frequentando a comunidade mesmo não tendo sido eleito: “Tantos deputados fizeram voto aqui e não voltaram mais. O Janta é honesto, voltou para ouvir nossos anseios mesmo não eleito. Temos que pensar nisso”, disse.

O vereador Dr. Diego falou de sua história política e que mora na cidade há 12 anos. Para o pré-candidato a prefeito, está na hora da cidade voltar a funcionar. “Com a nossa união, a nossa cidade voltará a ser o que pode ser de forma igualitária”, definiu.

Rogério Cunha, também pré-candidato a Prefeitura, afirmou se sentir honrado com a luta do PDT e comentou a presença de Janta: “Agradeço ao partido, que atualmente pode contar com três pré-candidatos. É uma grande vitória que uma liderança estadual como o Clàudio Janta venha fazer política conosco. Ele não desiste de lutar e está aqui discutindo o que é bom. Felicidade é quando se faz política para o todo e não para o indivíduo”, disse, sendo bastante aplaudido. 

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

50 anos do Movimento da Legalidade são celebrados no RS

Teve início às 14 horas, com o Plenário 20 de Setembro da ALRS lotado, a sessão solene comemorativa ao cinquentenário do Movimento da Legalidade, que dá início à programação alusiva ao episódio histórico promovida em conjunto pela Assembleia Legislativa e pelo governo do Estado.  Na abertura da solenidade, foram executados pela banda da Brigada Militar os hinos Nacional e da Legalidade.  A neta de Leonel Brizola, deputada Juliana Brizola, discursou na ocasião. Brizola foi um dos principais personagens do movimento pela Legalidade. Os diretores da Força Sindical-RS Marcelo Furtado e Jefferson Tiego; e o assessor econômico da central Mário de Lima estiveram presentes.

Motivada por um misto de emoção familiar e de patriotismo, a deputada Juliana Brizola (PDT), neta do ex-governador Leonel Brizola, foi a primeira a e manifestar. Ela conclamou todos a compreenderem o significado histórico do movimento. “Brizola não apenas defendeu a legalidade constitucional, ele fincou uma trincheira contra a tirania, a traição e o entreguismo”, disse. Para Juliana, impedir a posse de Jango – o herdeiro do Getulismo - era a tentativa de barrar os avanços sociais no Brasil representados pelo fortalecimento dos direitos dos trabalhadores, pelo voto feminino e pelo acesso do povo à educação. Conforme a parlamentar, o legado do espírito da resistência do movimento atravessou os anos e esteve presente na luta contra a Ditadura, na defesa da Anistia e nas Diretas Já.

Muitas faixas foram colocadas nas galerias do Plenário da ALRS lembrando o Movimento. Entre as principais, se lê "Brizola guerreiro do povo brasileiro", "Contra o golpe, todos à Assembleia", "Resistir ou Morrer", "O Rio Grande do Sul resistirá" e "Não daremos o primeiro tiro, mas o segundo e o último". Ao mesmo tempo, o telão do Plenário 20 de Setembro mostrou fotos e filmagens da época, com manifestações e personalidades que fizeram parte do movimento.

Estiveram presentes na sessão solene protagonistas do Movimento da Legalidade e lideranças políticas do Rio Grande do Sul como o vice-presidente do Tribunal de Justiça, desembargador José Aquino Flôres de Camargo, o procurador-geral de Justiça, Eduardo de Lima Veiga, a defensora pública-geral, Jussara Acosta, o presidente do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Cezar Miola, o comandante militar do Sul, general-de-exército Carlos Bolivar, o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, o vereador da Capital Elói Guimarães, os ex-governadores Alceu Collares e Olívio Dutra, o filho do ex-governador Brizola, João Otávio Goulart Brizola, o neto do ex-presidente João Goulart, Christopher Goulart, entre outros.

Confira aqui discurso da deputada Juliana Brizola:

Senhoras e Senhores Deputados,
Senhor Governador Tarso Genro,
Senhoras e Senhores,

O movimento da LEGALIDADE, liderado por LEONEL DE MOURA BRIZOLA, que celebramos e reverenciamos neste momento, é o epicentro mais exemplar e emblemático da história social e política brasileira.
 
Em sua essência mais profunda, a LEGALIDADE remete à Revolução de 30, liderada por Getúlio Vargas, e avança no tempo até o Governo Dilma, passando pela resistência contra a ditadura e a reconquista da democracia.
 
Hoje, seu legado de resistência, de compromisso com a democracia e de fé na força do povo, segue sendo fonte inspiradora de civismo, de compromisso com o Estado brasileiro e de luta pelo bem-estar dos trabalhadores e do povo.
 
Senhoras e Senhores,
 
Além de usar a palavra na condição de Deputada, tenho o privilégio e, talvez, o compromisso maior, neste momento, de falar também como alguém profunda e pessoalmente identificada com este Movimento e com os seus principais atores.
 
Nesse sentido, é com um sentimento misto de emoção familiar e patriotismo que ocupo a Tribuna da Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul nesta data histórica em que lembramos esse grande feito do nosso sempre bravo povo gaúcho.
 
Antes de mais nada, devo destacar o papel da Assembléia Legislativa que, sob o comando de seu presidente Hélio Carlomagno, então do PSD, opositor do PTB, posicionou-se com a totalidade dos deputados desta Casa contra o golpe e a favor da Legalidade.
 
Honrar a memória de meu avô LEONEL BRIZOLA, de meu tio-avô JOÃO GOULART, e de meu avô materno, o Brigadeiro da Aeronáutica, ALFREDO RIBEIRO DAUDT, é um dever que fortalece e ilumina a minha ainda jovem, mas decidida, caminhada política.
 
É emocionante registrar, neste momento, de forma especial, a ação do então Capitão DAUDT que liderou um grupo de sargentos e esvaziou os pneus dos jatos designados e armados para bombardear o Palácio, assim impedindo o massacre do povo que ocupava a Praça da Matriz, o que lhe custou, três anos depois, a prisão e a tortura.
 
Meu avô DAUDT contava, e deixou isso registrado por escrito, que na véspera do dia 26 de agosto de 1961, durante a noite, os aviões da Base Aérea de Canoas foram armados e carregados com bombas de 250 libras, duas em cada aeronave, pois, segundo ele, diziam que “a coisa era para valer”.
 
Não posso deixar também de lembrar o esforço, a lealdade e, em alguns momentos, o sofrimento de todos os familiares que, a exemplo de minhas avós Neuza Goulart Brizola e Dóris Daudt, de meus pais e tios que conviveram com toda sorte de percalços durante aquele período e, depois, no exílio.
 
Uma história que talvez sintetize esses momentos, é quando minha avó Neuza, a pedido de meu avô LEONEL BRIZOLA, retirou do Palácio Piratini meu pai, José Vicente, e meus tios João Otávio e Neusa, entregando-os aos cuidados dos amigos Raul e Mila Cauduro, mas retornou para ficar ao lado do marido, pois não sabia se sairiam vivos de lá.
 
Senhoras e Senhores,
 
Transcorridos cinquenta anos, temos o dever histórico de compreender da forma mais ampla possível o significado do MOVIMENTO DA LEGALIDADE e o papel de seus personagens - públicos e anônimos.
 
Getúlio Vargas, João Goulart e Leonel Brizola estavam profundamente ligados pela máxima do trabalhismo, que era “desenvolver o Brasil para o povo brasileiro”, proposta genuinamente nacional que os diferenciava da velha elite conservadora ligada ao capital financeiro internacional.
 
Ao rebelar-se em 25 de agosto de 1961 para garantir a posse do Vice-Presidente da República, JOÃO GOULART, em lugar de Jânio Quadros, que renunciara ao cargo no mesmo dia, LEONEL DE MOURA BRIZOLA não apenas defendeu a legalidade constitucional.
 
Armado do poderoso microfone da Rádio Guaíba, operado por Homero Simon, e liderando uma espécie de “rede social” da época, com apoio militar da fiel e corajosa BRIGADA MILITAR, o então Governador LEONEL BRIZOLA fincou uma nova trincheira contra a tirania, a traição e o entreguismo.
 
As razões de LEONEL BRIZOLA e a mobilização popular tinham como motor, além da afirmação da democracia, a memória viva de três décadas de mudanças econômicas, com a industrialização do país, políticas e sociais, iniciadas em 1930 com Getúlio Vargas e ampliadas nos anos cinquenta, por ele e pelos novos líderes trabalhistas.
 
Vitórias do povo e da Nação que já havia custado a vida do presidente Getúlio Vargas, em 24 de agosto de 1954, data histórica que também lembramos neste momento.
 
Impedir a posse de JOÃO GOULART era a tentativa de barrar naquele momento os avanços que, posteriormente, se traduziriam nas Reformas de Base, e retroceder o país para a dependência externa dos trustes e monopólios, e para a escravidão do analfabetismo e da pobreza.
 
O levante popular comandado por BRIZOLA significava a defesa da Companhia Siderúrgica Nacional, da Companhia Vale do Rio Doce, da Companhia Hidrelétrica do São Francisco, do Banco do Brasil e da Petrobrás, todas empresas nacionais criadas durante o Governo de Getúlio Vargas.
Era também a afirmação do Ministério do Trabalho, criado sob o governo trabalhista de Getúlio Vargas, da Carteira de Trabalho, da jornada de trabalho de 8 horas, da Lei de Férias, da licença-maternidade, da igualdade salarial e do direito à aposentadoria.
 
A luta dos legalistas também significava a afirmação da participação social e política da mulher, em especial da garantia do VOTO FEMININO, conquistado em 1932, no governo de Getúlio Vargas, encerrando um período de luta feminista e popular que vinha desde a Constituinte de 1891, que havia negado o direito.
 
O alvo principal dos golpistas, como o tempo se encarregou de evidenciar, era evitar o acesso do povo à educação, compromisso número um do trabalhismo, que também teve início na Era Vargas com a criação do Ministério da Educação, de universidades como USP, da instituição do ensino técnico e do ensino primário obrigatório.
 
Um compromisso que, durante seu Governo, LEONEL BRIZOLA traduziu na construção de escolas espalhadas por todo o estado, e na implantação da Escola de Turno Integral no Rio de Janeiro. Um projeto extremamente audacioso com o professor Darcy Ribeiro e muito criticado pela elite.
 
Isso explica o veto dos militares, de parte da elite brasileira e dos interesses internacionais a JOÃO GOULART que, naquele momento, era o herdeiro do “getulismo”, da política nacionalista, do fortalecimento da produção nacional, da valorização dos trabalhadores e da implementação de políticas sociais.
 
Ex-Ministro do Trabalho de Getúlio Vargas, JOÃO GOULART assinou uma série de decretos em favor da Previdência Social, tais como o financiamento de casas próprias para os trabalhadores, e, principalmente, em 1º de Maio de 1954, concedeu um reajuste de 100% para o Salário Mínimo, provocando o “Manifesto dos Coronéis” contra o governo.
 
A defesa firme da Constituição, do Brasil e do povo, com apoio popular e do Comando do Terceiro Exército, na pessoa do General Machado Lopes, garantiu a posse de JOÃO GOULART, em 7 de setembro, transformando-se em uma das mais profundas vitórias populares da história política brasileira.
 
Ao mesmo tempo, o exemplo de heroísmo, com compromisso popular e responsabilidade política, fez de LEONEL BRIZOLA, em especial, e dos trabalhistas, alvos de preconceito, da perseguição e até mesmo do rancor da elite, durante o golpe de 1964, no período ditatorial e mesmo após a redemocratização.
 
Senhoras e Senhores,
 
O exemplo do MOVIMENTO DA LEGALIDADE também inspirou a luta contra a ditadura que, em nova ação golpista, se abateu sobre a sociedade e o povo brasileiro em 1964, voltando-se de forma brutal contra aqueles que, desde a morte de Getúlio Vargas, impediram o golpe contra os interesses nacionais.
 
A história do MOVIMENTO DA LEGALIDADE, suprimida por um longo tempo de nossa história oficial, contada de pai para filho, transformou-se em uma espécie de matriz política e ideológica para toda uma geração que – lembrando do amigo e companheiro Carlos Araújo - lutou com armas, em muitos casos, ou sem elas, em outros, pela redemocratização do país.
 
O legado da LEGALIDADE também esteve no centro dos momentos mais importantes da história moderna do país, a exemplo da luta pela Anistia, Ampla Geral/ e Irrestrita que ganhou às ruas, das greves que explodiram nas fábricas e da campanha pelas Diretas Já que mobilizou o país.
 
O mesmo espírito de resistência, com participação popular e diálogo que marcou a LEGALIDADE, produziu novos líderes como o Governador Alceu Collares, também chegou aos tempos modernos com o Governo Dilma, tanto pela origem e formação trabalhista da Presidenta, quanto pela presença do PDT e suas políticas sociais no Ministério do Trabalho.
 
Para nós, trabalhistas, o Governo Lula e agora o Governo Dilma e o Governo Tarso vêm resgatar todas as conquistas do povo brasileiro. É o famoso FIO DA HISTÓRIA.
 
Senhoras e Senhores,
 
Os principais líderes do MOVIMENTO DA LEGALIDADE, infelizmente, não estão mais entre nós, mas muitos daqueles que participaram, de forma anônima e sem o devido registro ou reconhecimento histórico, aqui se encontram, ou de alguma forma acompanham as celebrações de seu cinquentenário.
 
Não tenho dúvidas que, para todos eles, o momento é de orgulho, de regozijo pelo papel histórico que desempenharam, com destemor e patriotismo, e pelo exemplo que deram às futuras gerações, pelo que, particularmente, agradeço profundamente.
 
Uma experiência que precisa ser mantida vida na memória popular e levada ao conhecimento das novas gerações, como parte do calendário de lutas do povo brasileiro, em respeito à sua identidade, à sua história e aos seus direitos políticos.
 
Gaúchos e brasileiros,

O Brasil ainda precisa de “legalistas”, de “brasileiros de pé, unidos pela liberdade, que preguem a igualdade, que protestem contra o tirano, que recusem a traição”, como diz o “Hino da Legalidade”, em letra de Lara Lemos e música de Paulo César Pereio.

Da minha parte, fiel à memória de meus avós, ao que aprendi com eles e com sua história, a “Rádio da Legalidade” continuará transmitindo a mensagem de liberdade, de resistência, de independência, de soberania, até que o povo seja grande e o Brasil livre em todos sentidos.

Brizola Neto, sobre a Legalidade:


terça-feira, 9 de agosto de 2011

Esclarecimento sobre as eleições para o Diretório Metropolitano do PDT de Porto Alegre


Diante das informações veiculados pela imprensa em relação ao debate sucessório do Diretório Metropolitano do PDT de Porto Alegre, esclarecemos:

1.Não existe “ilegalidade” na reivindicação de ELEIÇÕES DIRETAS para o Diretório Metropolitano. Ao contrário, a eleição direta é prevista no Capítulo 5, Artigo 31, Parágrafo 1 do Estatuto do Partido. Porto Alegre é a única capital do Brasil em que a eleição para o Diretório Metropolitano do partido é por meio de um deformado Colégio Eleitoral que desvaloriza a vontade política legítima dos filiados.

2.A postulação da deputada estadual Juliana Brizola é democrática e resulta de sua importância no cenário político municipal e estadual. Juliana Brizola foi a vereadora mais votada na capital em 2008 e também deputada mais votada do PDT em Porto Alegre e no estado em 2010. Se existe alguma intransigência no processo é em relação ao nome de Juliana Brizola, em particular, e ao direito dos filiados decidirem soberanamente os destinos do partido.

3.É importante destacar que a postulação da deputada Juliana Brizola não é um ato isolado, mas conta com o expressivo apoio da maioria do partido, em todas as instâncias. Como divulgamos no jornal do movimento, defendem Diretas Já em Porto Alegre e o nome da deputada Juliana Brizola para presidente o ex-governador Alceu Collares, o deputado federal Enio Bacci, a presidente nacional da AMT Miguelina Vecchio, o Secretário-Geral do PDT-RS Pompeo de Mattos, os 6 Deputados Estaduais, os Secretários de Estado Afonso Motta e Kalil Sehbe, os vereadores Tarciso Flecha Negra, Dr. Thiago e Neusa Canabarro, presidentes de 6 Zonais da Capital e todos os Órgãos de Ponta do partido.

4.Ainda, as únicas decisões da reunião realizada nesta segunda-feira, apesar da resistência do presidente regional do PDT, Romildo Bolzan, foi de que haverá eleições em DATA ÚNICA, com eleição conjunta do Diretório Metropolitano e renovação dos Diretórios Zonais. A formatação da eleição será discutida em reunião da Comissão Eleitoral e representação das chapas concorrentes, submetida a aprovação da Executiva Estadual e Nacional.

5.Da nossa parte, reafirmamos a continuidade da mobilização pela realização das ELEIÇÕES DIRETAS JÁ em todas as instâncias do partido, vontade expressa das lideranças, da militância e dos filiados trabalhistas na capital. A realização de eleições diretas é fundamental para a renovação do partido em Porto Alegre, atrofiado por políticas particulares de controle das instâncias partidárias. O trabalhismo é um patrimônio coletivo da sociedade gaúcha e brasileira que deve orientar a prática de políticas transparentes, democráticas e soberanas.

Porto Alegre, 9 de agosto de 2011.
Movimentos Brizola Vive e Coletivo Força e Fé.