terça-feira, 9 de agosto de 2011

Esclarecimento sobre as eleições para o Diretório Metropolitano do PDT de Porto Alegre


Diante das informações veiculados pela imprensa em relação ao debate sucessório do Diretório Metropolitano do PDT de Porto Alegre, esclarecemos:

1.Não existe “ilegalidade” na reivindicação de ELEIÇÕES DIRETAS para o Diretório Metropolitano. Ao contrário, a eleição direta é prevista no Capítulo 5, Artigo 31, Parágrafo 1 do Estatuto do Partido. Porto Alegre é a única capital do Brasil em que a eleição para o Diretório Metropolitano do partido é por meio de um deformado Colégio Eleitoral que desvaloriza a vontade política legítima dos filiados.

2.A postulação da deputada estadual Juliana Brizola é democrática e resulta de sua importância no cenário político municipal e estadual. Juliana Brizola foi a vereadora mais votada na capital em 2008 e também deputada mais votada do PDT em Porto Alegre e no estado em 2010. Se existe alguma intransigência no processo é em relação ao nome de Juliana Brizola, em particular, e ao direito dos filiados decidirem soberanamente os destinos do partido.

3.É importante destacar que a postulação da deputada Juliana Brizola não é um ato isolado, mas conta com o expressivo apoio da maioria do partido, em todas as instâncias. Como divulgamos no jornal do movimento, defendem Diretas Já em Porto Alegre e o nome da deputada Juliana Brizola para presidente o ex-governador Alceu Collares, o deputado federal Enio Bacci, a presidente nacional da AMT Miguelina Vecchio, o Secretário-Geral do PDT-RS Pompeo de Mattos, os 6 Deputados Estaduais, os Secretários de Estado Afonso Motta e Kalil Sehbe, os vereadores Tarciso Flecha Negra, Dr. Thiago e Neusa Canabarro, presidentes de 6 Zonais da Capital e todos os Órgãos de Ponta do partido.

4.Ainda, as únicas decisões da reunião realizada nesta segunda-feira, apesar da resistência do presidente regional do PDT, Romildo Bolzan, foi de que haverá eleições em DATA ÚNICA, com eleição conjunta do Diretório Metropolitano e renovação dos Diretórios Zonais. A formatação da eleição será discutida em reunião da Comissão Eleitoral e representação das chapas concorrentes, submetida a aprovação da Executiva Estadual e Nacional.

5.Da nossa parte, reafirmamos a continuidade da mobilização pela realização das ELEIÇÕES DIRETAS JÁ em todas as instâncias do partido, vontade expressa das lideranças, da militância e dos filiados trabalhistas na capital. A realização de eleições diretas é fundamental para a renovação do partido em Porto Alegre, atrofiado por políticas particulares de controle das instâncias partidárias. O trabalhismo é um patrimônio coletivo da sociedade gaúcha e brasileira que deve orientar a prática de políticas transparentes, democráticas e soberanas.

Porto Alegre, 9 de agosto de 2011.
Movimentos Brizola Vive e Coletivo Força e Fé.

Nenhum comentário:

Postar um comentário