sexta-feira, 3 de abril de 2015

Nós não vamos pagar nada!

Nesta semana vieram à tona na mídia dois fatos dignos de primeiro de abril envolvendo duas empresas estatais e, é claro o dinheiro dos brasileiros. Sem muitos detalhes e nenhuma tentativa de esclarecimento, se tornaram públicos empréstimos tomados pelo BNDES e pela Petrobras, reforçando a posição do Brasil como dependente da injeção de recursos externos para que uma máquina, comprometida pelos vícios da má gestão, não deixe de funcionar.

Pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), foi firmado o financiamento de U$S 150 milhões com o Japan Bank for International Cooperation (JBIC) e o Mizuho Bank, Ltd. Em nota, o banco justifica o empréstimo como estratégia de ampliação do relacionamento com instituições financeiras internacionais. Sobre condições e a negociação da dívida, nada esclarece.

Vale destacar que o mesmo BNDES pagou R$ 20,7 bilhões para financiar obras no exterior em 2014, tocadas por empreiteiras como a Odebrecht, acusada na operação Lava Jato pelo suborno de agentes públicos. O BNDES captava dinheiro emitindo títulos públicos, com base na taxa Selic (11% ao ano), enquanto emprestava a 6%, arcando com os outros 5%. Por isso, dos R$ 414 bilhões financiados 2014, bancou R$ 20,7 bilhões. Os empréstimos do Tesouro ao BNDES já são de R$ 414 bilhões (8,5% do PIB).


A Petrobras, depois de ter anunciado a venda de ativos na área de exploração e produção de petróleo na Argentina por U$S 101 milhões, obteve um empréstimo, sem nenhuma explicação, de U$S 3,5 bilhões do Banco de Desenvolvimento da China. Um valor exorbitante, concedido de forma rápida a uma empresa pública que não consegue prestar contas, incapaz de emitir um balanço confiável a respeito de suas bases financeiras abaladas pela corrupção.

A Petrobras, empresa estatal, de capital aberto, também não informou sobre as condições ou taxas do financiamento. À Comissão de Valores Mobiliários (CVM), sintetizou como o primeiro de uma série de acordos de cooperação entre os países. À imprensa e aos brasileiros, nada foi dito pelo governo, mas apenas por fontes sigilosas que apontam a negociação do petróleo brasileiro para abastecer os importadores em troca de recursos emergenciais para tapar o buraco da Petrobras. Praticamente, uma grande operação secreta com dinheiro público.


Aos poucos, sem alarde e sem consulta, colocaram o Brasil para alugar. Os brasileiros sustentam um sistema perverso e hipócrita, que drena os recursos públicos com operações criminosas envolvendo a administração das estatais, pede empréstimo para tapar o buraco e manda a conta de volta para o contribuinte, que não recebe nem ao menos o recibo do papel de trouxa que faz nas mãos do governo. Bancamos a dilapidação do patrimônio nacional sem aviso, sem escolha e sem a oportunidade de dizer a corruptos e corruptores para arcar com a conta, porque nós não vamos pagar mais nada. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário