quarta-feira, 3 de junho de 2015

Bioma Pampa novamente no centro dos debates

No auditório da Fenadoce, em Pelotas, participei na última segunda-feira (1º) da audiência pública do Fórum Democrático de Desenvolvimento Regional, da Assembleia Legislativa do Estado. O tema foi a regulamentação das áreas de preservação no Bioma Pampa para fins de Cadastro Ambiental Rural (CAR) sob o prisma do Meio Ambiente, da Agricultura, de Minas e Energia e do Desenvolvimento Rural. A audiência foi proposta pelo Instituto Amigos do Fórum Social Mundial Porto Alegre – IAFSMPOA ao Presidente da Assembleia, Deputado Edson Brum. 

Destaquei que as regras de preservação do bioma pampa impossibilitam o crescimento econômico da região. Criar uma área de preservação ambiental que comporta mais de 60% do estado do Rio Grande do Sul vai afastar investimentos e dificultar a vida das pessoas que vivem nessas regiões. 



À frente da Força Sindical-RS muitas vezes discutimos o Bioma Pampa, que forma uma barreira de investimentos no RS. Não nos furtamos desse tema, pois muitas empresas deixam de se instalar na região Sul e na Fronteira Oeste em função dessas dificuldades.
Há um projeto de lei que transforma parte do nosso território em reserva permanente da humanidade. Que Estado é esse onde o desenvolvimento é travado!? Isso leva as pessoas para os grandes centros. Acredito que temos pautas mais relevantes para legislar do que criar mais entraves que dificultam a geração de renda, de emprego, de crescimento e impede as pessoas de ficarem em suas cidades com suas famílias.

A PEC que institui o Bioma Pampa como reserva permanente da humanidade é um crime para o RS. Precisamos visitar esses locais para analisar o que as pessoas sofrem para colocar uma caixa de água. Temos que ser corajosos como os ambientalistas, competentes para defender a vida, o futuro. 


No encontro também discutimos demais questões como a migração do campo para as cidades e metrópoles pelas dificuldades do campo, o envelhecimento da população que vive no campo e a manutenção das florestas plantadas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário