segunda-feira, 21 de março de 2016

Na tribuna: Sem investimentos em fiscalização, caixa preta da Prefeitura permanece fechada

Com as galerias lotadas, servidores pedem a derrubada de mais um veto da Prefeitura. O que não entendemos é que, construímos projetos junto com a base do governo e, mesmo assim, a resposta é o veto.  Com o nosso projeto da Agência Reguladora dos serviços prestados pelo Município também foi assim. O governo alegou que não cabe a nós apresentá-lo, mesmo depois de ter construído em parceria a proposta. Então o que cabe a nós fazermos? Aquilo que a imprensa critica? Colocar nome de rua?

Cabe a nós saber onde é empregado o dinheiro da população e o que não cabe, é vermos o Poder Executivo, em todas as instâncias, municipal, estadual e federal, usá-lo como se fosse seu, como se de nada tivessem que prestar contas, como se fosse um dinheiro da família para abrir um grande negócio de risco. Só que o negócio que eles administram é NOSSO. Nós somos o patrão que trabalha até o meio do ano para pagar os impostos desse negócio, então cabe ao Executivo prestar contas e, para isso, precisamos que o nosso representante nesta parte, que é o servidor público, seja bem remunerado.

Precisamos que haja uma fiscalização capacitada e comprometida com quem é o seu patrão, que é o agente pagador. Por que vetar um projeto desses? Pra quê vetar uma agência reguladora? Para lá na frente acontecer o que vemos na lava-jato?

Talvez, se tivéssemos mais agentes de fiscalização, não estaríamos acompanhando esse escândalo, porque o servidor tem o compromisso com o órgão para o qual trabalha. Aqui mesmo, em Porto Alegre, vimos o descontrole no uso do dinheiro público na Procempa. Gastos que não condizem, altos contratos para compras supérfluas. Agora querem congelar os concursos e as convocações, como se o problema fosse o funcionalismo, assim como o governo do Estado. Mas como fica os nossos Postos de Saúde? A Guarda Municipal, creches, estrutura de arrecadação?


Por que o Município não cobra os seus impostos devidos, de ISSQN e IPTU? Por que não vai atrás dos credores, e tira dos servidores? Parece que é mais fácil beneficiar quem ganha muito e tirar de quem precisa. Precisamos evitar que o Município termine como o Estado, com prejuízos em todos os setores e sem ter para onde correr, ou como o Governo Federal, que de tanto fugir da transparência, ruiu diante de tudo que estamos vendo hoje.


Nenhum comentário:

Postar um comentário