segunda-feira, 18 de abril de 2016

Impeachment: diga-me com quem andas, que te direi quem és

Nós criamos o Solidariedade porque nos partidos que nós nos encontrávamos aceitaram baixar a cabeça e fazer acordo com quem traiu os trabalhadores. Este governo que hoje reclama dos evangélicos, do PMDB, PRB, PROS, escolheu seus aliados. Este governo que reclama de traição, não pode reclamar dos trabalhadores, porque NÓS fomos traídos por eles.

Começou quando, ainda no movimento sindical, tentamos reverter o fechamento dos bingos, que custou a demissão de 320 mil trabalhadores, por causa dos escândalos de propina do governo com Carlinhos Cachoeira. Depois veio o Mensalão e a série de escândalos que todo mundo já conhece e que os trabalhadores pagaram a conta, a ponto de o governo destruir com praticamente todos os fundos de pensão.

Dos golpes na pauta trabalhista, o primeiro foi quando o compromisso com a redução da jornada virou pó. Em 13 anos de governo, jamais honraram a principal luta das centrais sindicais. Então traíram a indústria nacional e geraram a demissão de 10 milhões de trabalhadores, que hoje estão na rua, sem carteira assinada. Antes disso, para completar o estrago, editaram as MPs 664 e 665, que excluem esses trabalhadores do direito ao seguro-desemprego, pensão e outros benefícios que poderiam assegurá-los.

O governo sangrou a Petrobras e o BNDES. Aos grandes empresários, deu dinheiro a fundo perdido, que jamais será recuperado. Às pequenas empresas, sobretaxaram com juros impagáveis e altíssimas tributações.

Quem deu golpe? O governo, que se sentiu traído ontem, escolheu seus aliados. Dizeis com quem andas e eu vos direi quem és.

O Solidariedade e seus 14 deputados justificaram o voto e jogaram limpo desde o início, dizendo muito bem o porquê queríamos impeachment. Não temos malvado, nem ladrão favorito. Todas as acusações que fizeram contra nós, provamos serem infundadas.

O processo de defesa do impeachment passou pela mais alta corte, onde o atual governo indicou os ministros. E esta alta corte disse que o processo é legal. Além do mais, quando foi pedido voto para Dilma nas eleições, foi pedido também para o Temer e não foi a primeira vez, já que a chapa foi reeleita, fazendo campanha ao lado do Eduardo Cunha e dos deputados que hoje chamam de traidores. Representantes que, ontem, escolheram seguir a voz das ruas, do povo que não aceita as traições de um governo que deveria melhorar a vida dos trabalhadores, mas só trabalhou para tornar a sua vida mais difícil, explorando sua mão-de-obra ao máximo, quando optou por não discutir a redução da jornada, explorando o seu salário, quando não quis revisar tabela do imposto de renda e tira até de ganha R$ 1.800 e explora até o fim da vida, quando inviabiliza a aposentadoria de milhares de pessoas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário